Personalidade e Individualidade

Personalidade e Individualidade

Todas as sociedades  têm se esforçado por nos iludir e persuadir-nos a concentrar a nossa atenção na personalidade como se ela fosse a nossa individualidade.

A personalidade é aquilo que nos é dado pelos outros. A individualidade é aquilo com que nascemos e é a natureza do nosso eu: não pode ser-nos dada por ninguém, nem pode ser-nos tirada por ninguém.

A personalidade pode ser dada e tirada. Consequentemente, quando nos identificamos com a nossa personalidade, começamos a ter medo de perdê-la, e sempre que surge uma fronteira além da qual temos de nos fundir, a nossa personalidade recolhe-se. É incapaz de ir além dos limites do que conhece.

Trata-se de uma camada muito fina, que nos é imposta. No amor profundo, evapora-se. Numa grande amizade, é impossível discerni-la.

A morte da personalidade nunca é absoluta em nenhum tipo de comunhão.

E nós identificamo-nos com a personalidade: os nossos pais, professores, vizinhos e amigos disseram-nos que somos assim, todos moldaram a nossa personalidade e lhe deram uma forma, fazendo de nós algo que não somos e que nunca poderemos ser.

Por isso, somos infelizes, vivendo enclausurados nesta personalidade. É a nossa prisão. No entanto, também temos medo de sair dela, porque não sabemos que temos mais do que isto.

É quase como se pensássemos que somos a roupa que vestimos. Nesse caso, é natural que tenhamos medo de ficar nus. Não se trata apenas do medo de deixar cair a nossa roupa, mas também do medo de não encontrar ninguém por baixo dela se o fizermos e de que todos vejam que existe apenas um vazio, que somos ocos por dentro.

As nossas roupas continuam a dar-nos alguma consistência. A personalidade tem medo, e é natural que tenha.

Quanto à individualidade, depois de a conhecerem… E a minha visão da religiosidade não é senão um processo de individuação, de achamento, de descoberta da individualidade. E nesse achamento – o passo mais importante – libertamo-nos da personalidade, removemos a identidade, recuamos e afastamos a personalidade e passamos a olhá-la com distanciamento.

Criem uma distância entre vocês e a personalidade.

(Osho, in “A Magia da Autoestima”)

Pense nisso e viva melhor!

Compartilhe este texto com seus amigos nas redes sociais!

Sou autor do site Motivação e Foco, consultor comportamental, apaixonado por gente e pela vida. Quero trocar experiências e conhecimento com você, deixe seu comentário, envie um e-mail e me siga nas redes sociais.

Não há comentários

Deixe uma resposta